1 ano de Luiz Gustavo

*Post reproduzido do Facebook, para não se perder com o tempo

O final de semana foi intenso e eu estou cansada e extasiada da mesma forma que me sentia 1 ano atrás. Mas preciso escrever ou não seria eu, vocês sabem… Que me desculpem os amigos que não os tem, por opção ou não, mas apesar dos inúmeros clichês do texto, ele é real e não há exagero, acreditem. A verdade é que não há, seja no caminho de Santiago de Compostela, durante um ano sabático ou isolado em um iglu na Groenlândia, maior jornada de autoconhecimento que ter um filho. Não há, seja em dinâmica de grupo ou jogos olímpicos, maior espírito de equipe que cuidar de um bebê: é você e seu “parceiro” (no meu caso, o marido), os familiares que se mobilizam para ajudar a qualquer momento, os amigos que entendem que, pelo menos por enquanto, sua balada tem hora pra começar e acabar e que ao invés de sair para almoçar é melhor te fazerem companhia em casa, pois seu filho está com febre vocês não podem sair. Não há, nem ao tentar montar um cubo mágico ou procurar uma agulha no palheiro, maior exercício de paciência. Anos de terapia não farão você entender tão bem seus pais (ainda que não mude a relação “eu sei tudo e você e seus anos de experiência que se lasquem). 

Nesse ano, minhas prioridades mudaram e minhas emoções também.

Quando penso, e já falei isso diversas vezes, na possibilidade desse último ano não ter sido sobre Luiz Gustavo e sim sobre uma viagem pelo mundo sem limite de gasto e acesso livre aos eventos e acontecimentos mais badalados não consigo, de verdade, imaginar como seria mais interessante, intenso e pleno quanto foi foi com Luiz Gustavo (mesmo que eu ache que fazer tal viagem não seria nada mal…  ). 

É o que sempre digo quando perguntam se vale a pena ou como é ser mãe: é tudo o que dizem sobre o sono, o choro do bebê, a vida que muda, o dinheiro que se gasta as relações que mudam e o amor incondicional. Mas sabe aquela pergunta “se você morresse hoje, teria gostado do seu último dia de vida?”. Desde que ele nasceu eu teria amado todos os meus últimos dias de vida, ainda que eu deseje que ele venha só daqui muiiiiito tempo, para eu poder acompanha-lo por muitos e muitos anos. Feliz aniversário, meu amor.

Imagem

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s