Baby blues – Carta para uma amiga no puerpério

Amiga,

Em primeiro lugar parabéns pelo seu bebê, ele é lindo! Sei quanto você esperou esse momento e talvez agora as coisas não estejam saindo como você esperou. Essa carta é um pouco para isso, amiga. Você pode estar brava comigo porque não te avisei ou brava consigo porque não me ouviu quando eu falei de um tal de puerpério ou baby blues. Talvez você tenha pensado que não aconteceria com você ou talvez não tenha dado importância porque tem certas dores que não conseguimos mensurar até que ela nos pegue de jeito. A verdade é essa, amiga, da mesma forma que não conseguimos explicar esse amor, não conseguimos explicar a dor.

Eu queria que você soubesse que o que você sente é totalmente normal e acomete quase todas as mulheres após o parto, mas isso não quer dizer que não mereça atenção. Eu sei que você está assustada com essa nova vida, com toda essa responsabilidade talvez você chegue a pensar que não vai dar conta. Eu sei que às vezes você chora sem motivo ou é tomada por uma angústia tão grande que não sabe o que fazer. Eu sei que você não quer que pensem que você não está feliz, porque você está, só não o tempo inteiro. E eu sei que o que você sente vai além do seu querer, que não é frescura, é hormonal, é físico, é químico. E eu sei que a falta de sono não ajuda em nada nesse momento. Sei que a dor de amamentar também não parece nada com aquela imagem linda que você vê nas campanhas de amamentação e nas propagandas. Também sei o que é se olhar no espelho e não se reconhecer, não você, nem a você de antes, nem a você grávida.

Eu sei amiga que às vezes esse amor que tanto falam não nasce assim, saído da placenta. Sei que às vezes você olha para o seu bebê e pensa “Quem é você?”. Sei que você pensa “Onde fui amarrar meu burro?” e mesmo com poucos dias, às vezes você acha que sua vida nunca mais será como antes. Ela não será, amiga. Mas acredite: ela pode ser ainda melhor. Só que leva algum tempo. É importante que aqueles que a rodeiam saibam que você não está fazendo tipo. Para isso, basta copiar e colar qualquer link da internet que fale sobre o assunto.

Amiga, eu queria poder tirar essa dor com a mão, mas infelizmente ela faz parte do processo de se tornar mãe, como se não bastasse tudo o que já passamos, ainda tem essa “provinha de fogo”. Às vezes é difícil expressas a dor e as palavras a transformam em algo banal. Não é. Em algum tempo a vida se ajusta, amiga, e sei que você vai primeiro se adaptar, se conformar, e depois vai começar a curtir, a amar, a aproveitar cada segundo da maternidade. Esse dia vai chegar, amiga.

Enquanto isso, fale. Fale, chore, descanse quando puder, coma. Não se culpe por não estar feliz o tempo inteiro ou por querer que o tempo volte e pare lá atrás, quando você ainda não tinha engravidado. Não se culpe por errar, por achar que você nunca vai fazer parte das mães exemplares da escola do seu filho. Não se culpe por achar que ele tem a orelha um pouco de abano ou a cabeça grande (mas é lindo mesmo assim). Não se culpe por querer sair correndo e nunca mais aparecer. Não se culpe por querer sumir com seu companheiro, dar na cara da sua mãe ou da sua sogra.

Estou aqui amiga, como a prova viva que isso passa. Se você achar que não consegue lidar sozinha, se achar que está durando mais que aguenta ou que está te impedindo de cuidar do seu filho, então procure ajuda profissional.

Fica o meu abraço. Estamos juntas!

 

Um beijo.

 

2013-06-08 13.06.52

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s